Publicado em 28 de fevereiro de 2018 às 10:01

Saiba para onde vai o sangue doado depois da coleta



Imagem: Internet
Uma doação de sangue é capaz de salvar até quatro vidas. A ação dura cerca de uma hora e os primeiros passos já são bastante conhecidos. O doador comparece a um posto de coleta com os documentos em mãos, preenche um cadastro e realiza alguns exames. Caso atenda aos requisitos, doa o equivalente a uma bolsa de 450mL. Após esse procedimento, no entanto, pouco se sabe sobre os caminhos que ela percorre até chegar a um paciente.
CURTA O H1 NEWS NO FACEBOOK, SIGA NO TWITTER E NO INSTAGRAM
 
Assim que o sangue é coletado, passa por um processo de separação de hemocomponentes. Uma única bolsa se transforma em quatro: uma de hemácias, uma de plaquetas, uma de plasma e outra de crioprecipitado. Isso permite que mais de uma pessoa seja beneficiada com uma doação.
Em seguida, elas são armazenadas e passam por testes sorológicos e imuno-hematológicos para garantir a sua eficácia até a transfusão. Ali são realizados os exames de tipagens e a verificação de possíveis doenças. Se os resultados indicarem a inexistência de qualquer irregularidade, o sangue está pronto para ser encaminhado às instituições de saúde.
Baixe o aplicativo para celulares com sistema Android do H1 News, clique aqui e faça o download
 
Aqui no Estado de São Paulo, a Fundação Pró-Sangue é o principal centro de referência em medicina transfusional. A instituição é ligada à Secretaria de Estado Saúde e ao Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP. Mensalmente, são coletadas e processadas cerca de 12 mil bolsas de sangue para o abastecimento de, em média, 100 unidades da rede estadual de saúde. Isso equivale a 32% do sangue consumido em toda Região Metropolitana de São Paulo.
A Fundação tem o desafio diário de manter os estoques de sangue sempre estáveis e a qualidade do tratamento até chegar aos hospitais. “A atenção com a transfusão começa logo no início. Nós temos que oferecer um atendimento humanizado para não prejudicar os doadores e, sobretudo, os pacientes. Quando os voluntários vêm até o posto de coleta, garantimos o melhor acolhimento”, afirma Vilma Regina Daniel, enfermeira-chefe do posto de coleta da Pró-Sangue do Hospital das Clínicas da FMUSP.
Marcello Augusto começou a doar sangue há 20 anos, quando sua irmã foi diagnosticada com câncer e precisou de transfusão. Hoje, ele é presidente da ONG Domingo Solidário, que organiza grupos de voluntários para fazer a doação todo último domingo do mês. “Eu nunca mais parei. Já fiz mais de 50 doações. Eu acredito nesta causa e sempre que posso tento ajudar a repor os estoques”, comenta.
São pessoas como ele que recebem a gratidão da mãe de Sofia. Gabriela Oliveira perdeu a filha em agosto de 2013, após três anos de luta contra um tumor no rim. A menina, que tinha apenas três anos de idade quando descobriu a doença, precisou de mais de 150 bolsas de sangue durante todo o tratamento.
“Essas bolsas foram essenciais. A cada quimioterapia minha filha ficava muito fraca, muito debilitada. Quando ela fazia a transfusão, era nítido como a sua pele ficava mais rosada e como abria o seu apetite. Era mágico. Era um santo remédio. Por isso, eu agradecia muito pelas pessoas que tinham essa compaixão e iam doar”, lembrou a mãe.
Durante o tratamento, Gabriela e o marido criaram um projeto com o nome da filha chamado Sô-lidariedade. O intuito era conscientizar as pessoas para que elas procurassem um posto de coleta e pudessem salvar a vida de pacientes na mesma situação que a Sofia.
Infelizmente, o número de doadores em todo o país ainda é muito baixo. Para o médico hemoterapeuta da Fundação Pró-Sangue, André Albiero, “já que não temos como fabricar o sangue, é necessário conscientizar as pessoas sobre a importância da doação, pois o ato tem que ser voluntário e altruísta”.
Dessa forma, os caminhos percorridos pelo sangue ultrapassam a barreira da medicina e cada vez mais mostram que cada gota é capaz de transformar vidas. A doação é um ato simples, seguro e rápido. Com esse gesto, é possível fazer o bem como outros Marcellos e salvar a vida de muitas outras Sofias.
Em nossa região, Araçatuba é o local mais próximo, na Avenida Arthur Ferreira da Costa nº 330 – Aviação. Segunda-feira, das 8:00/19:00h, de terça-feira a sexta-feira, das 8:00/17:00h e aos sábados das 7:00/12:00h.
Para encontrar o posto de coleta mais próximo e saber quais são os requisitos para doar, clique aqui.

Clique aqui e veja em nossa página inicial as últimas notícias






Revista





Mais notícias »




Publicidade





Inicial | Policial | Política | Esporte | Revista | Mural | Contato


Todos os direitos reservados - H1 News